Viajar para chapada diamantina é um destino inesquecível

No coração do estado da Bahia está um dos mais belos cenários do país. Viajar para chapada Diamantina é conhecer um oásis no meio do sertão, serras e vales.

Nem só de praia é formada a paisagem da Bahia. No coração do estado está um dos mais belos cenários do país, salpicado de cachoeiras, grutas, serras e vales.

Vale do Pati

Vale do Pati

Cobiçado pelos amantes do trekking, o Parque Nacional da Chapada Diamantina tem atrações que extrapolam seus limites e espalham-se por cidadezinhas que tiveram seu apogeu no final do século 19, quando a região era famosa somente pelas jazidas de diamantes.

Morrão na chapada Diamantina

Morrão na chapada Diamantina

Uma das principais cidades da Chapada é Lençóis, com ruas de paralelepípedos e casario colonial que abrigam pousadas, restaurantes e agências que oferecem atividades pelo parque e arredores. São muitas as opções de passeios – feitos sempre em caminhadas. Imperdíveis são os que levam aos cartões-postais: Morro do Pai Inácio, com 1.200 metros de altitude, vista panorâmica e ponto de contemplação de um belíssimo pôr do sol; e Cachoeira da Fumaça, a maior do país, com 380 metros de queda.

Como as atrações ficam distantes umas das outras, vale a pena pernoitar em outras cidades e povoados, como Mucugê, Andaraí, Igatu e Caeté-Açu, que oferecem charmosas pousadinhas e muita hospitalidade, além de guardarem e contarem histórias do Ciclo dos Diamantes.

Abrindo um pequeno parênteses: Para o ajudar no turismo pelo Brasil, após ler este artigo, pondere ler outros destinos bastante procurados:

Continuando….
As casas dos nativos também se tornam abrigos na Chapada – são nelas que os aventureiros que encaram os cinco dias de caminhada pelo Vale do Paty fazem pernoites, com direito a comida caseira, luz de lampião e muita prosa. A travessia tem 70 quilômetros e surpreende os trekkers do início ao fim. Por todo o percurso surgem recompensas naturais, como platôs, quedas d’água, rios, vales, poços, grutas… não é à toa que a travessia é considerada a mais bonita do Brasil.

O que ver e fazer na Chapada Diamantina

A natureza, em quase todas as suas formas, se faz presente na Chapada Diamantina. Grande parte das belezas está guardada e preservada no Parque Nacional, que abriga uma imensa área tomada por cânions, cachoeiras e platôs. Gigantescos também são os cartões-postais da região: o Morro do Pai Inácio, a mais de mil metros de altitude; e a Cachoeira da Fumaça a mais alta do Brasil, com quase 400 metros de queda.

Parque Nacional da Chapada Diamantina

Belíssimo pôr do sol nas alturas

Belíssimo pôr do sol nas alturas

Com uma área de 153 mil hectares, o Parque Nacional abrange algumas cidades da região, como Lençóis – a “capital” da Chapada e principal base para explorar os atrativos da reserva -, Caeté-Açu, (86 quilômetros de Lençóis), Andaraí (100 km) e Mucugê (134 km). Cada uma guarda uma infinidade de surpresas como cachoeiras, grutas, cânions, serras e platôs de tirar o fôlego. Para conhecer os encantos, é preciso caminhar. Não deixe de fora do roteiro os cartões-postais da Chapada: a cachoeira da Fumaça, a maior do país; e o Morro do Pai Inácio, que descortina um lindo pôr do sol a 1.120 metros de altitude.

Cachoeira da Fumaça

Cachoeira da Fumaça

Cachoeira da Fumaça

A cachoeira mais alta do Brasil, é uma das principais atrações da Chapada. A maneira “mais fácil” de vislumbrar a água que jorra de um buraco no paredão é de cima, arrastando-se até a beira do precipício. Para chegar lá é preciso caminhar duas horas (seis quilômetros). Quem pretende apreciar a queda por baixo deve se preparar – partindo de Lençóis, são três dias de caminhada em meio às serras.

Ver o pôr do sol no Morro do Pai Inácio

Uma bela vista do alto do pé do morro

Uma bela vista do alto do pé do morro

A 1.120 metros de altitude, o morro do Pai Inácio descortina a mais bela vista panorâmica da Chapada. São 360 graus de paisagem de tirar o fôlego, ainda mais na hora do pôr-do-sol. Uma subida de 300 metros, vencida em vinte minutos, leva ao topo do cartão-postal, que fica em Palmeiras a 22 quilômetros do centro de Lençóis.

Desbravar a Gruta da Lapa Doce

Gruta Torrinha

Gruta da Lapa Doce

A mais interessante gruta da Chapada é tomada por ornamentações, como as agulhas de gipsita, com 60 centímetros de comprimento e as raras flores de aragonita, que parecem de vidro. As visitas guiadas duram entre uma hora e duas horas e meia e, em alguns trechos, é preciso andar agachado.

Galeria de Fotos

Clique nas fotos para ampliar.

Dê sua opinião!

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


8 − 3 =