Pontos turísticos da Itália: Sardenha, Itália

O litoral e as montanhas da Sardenha na Itália, criaram duas culturas originais do alimento nesta região. Embarque em uma viagem gastronômica com Matthew Fort de viajantes do Lonely Planet  para descobrir mais.

Cultura alimentar da Sardenha é moldada pelo seu mar e as montanhas - ambos se encontram aqui no Cala Goloritzè na costa leste da ilha. Imagem por Anders Schønnemann.

Cultura alimentar da Sardenha é moldada pelo seu mar e as montanhas – ambos se encontram aqui no Cala Goloritzè na costa leste da ilha. Imagem por Anders Schønnemann.

Cultura Alimentar da Sardenha

A   extraordinária Cultura culinária da Sardenha é estritamente dividida em alimentos do mar e comida da terra. Na costa você come peixe, no  interior das montanhas pode comer carne assada. Caldeiradas de peixe ao lado do mar, possuem qualidades que estão enraizadas nas tradições da região, e os sardos são orgulhosos dessas distinções.

Para explorar a paisagem física da Sardenha é necessário explorar também sua paisagem culinária ao mesmo tempo.

O porto de Villasimius fica no extremo sul da ilha, cerca de 20 quilômetros a leste da capital de Cagliari.

Villasimius era uma pequenas aldeia de pescadores que se sobressaiu na costa da Sardenha, devido à sua posição e ancoradouro abrigado; atraiu os iates dos ricos e carros dos turistas, tornando-se ultimamente e  centro florescente de turismo.

Silverio Sandolo exibe um par de dentão - (peixe encontrado  na região do Mediterrâneo. Imagens por Anders Schønnemann.

Silverio Sandolo exibe um par de dentão – (peixe encontrado na região do Mediterrâneo. Imagens por Anders Schønnemann.

Silvério é um dos 10  pescadores que ainda trabalham em Villasimius, vendendo as suas capturas ou no mercado de peixes em Cagliari, ou para restaurantes da cidade e outros ao longo da costa. Os pescadores do local mantém viva uma tradição secular, que é celebrada , no prato em forma de mexilhões recheados, anchovas marinadas, salada de polvo, deep-fried anêmonas do mar, camarão com feijão cannellini e linguine com lagosta.

Linguine com lagosta. Imagem por Anders Schønnemann.

Linguine com lagosta. Imagem por Anders Schønnemann.

Nas lajes de mármore do mercado em Cagliari, em frente cada baia encontra-se o fruto do trabalho dos pescadores: glimmery, peixe spangled – sardinha, robalo, bacalhau, tainha, tainha vermelho, vermelho e ouro, como um colete de brocado. Há uma bandeja cheia de languorously contorcendo enguias, tão fino quanto bootlaces, e montes de camarões cardeal-vermelhas, alémde polvo gloopily clambers. O produto da pesca é usado para formar pratos como a salada quente de caudas de camarão, caldeirada de peixe ou macarrão com ovas de ouriço do mar servidos nos restaurantes de Villasimius.

Cozinha da montanha

Há pouco tempo atrás, havia 30 ou 40 pastores e seus rebanhos sobre os picos das montanhas Supramonte, hoje, há apenas três ou quatro. Lino Fronteddu carrega a tradição da família de seu pai Antonio, pastor aposentado, com cerca de três centenas de cabras e mais ou menos trinta porcos. Os porcos são animais pequenos, que vivem livremente sobre a montanha. Lino vem todas os dias entre seis – 06 h30 da manhã, atender suas cabras. Seu trabalho consiste em alimentá-las  e ordenha-las, antes de voltar para casa por volta de 20:00 ou 09:00.

O filho de uma das famílias do local, preparou para o almoço  “porceddu”( leitão) dividido ao meio em cima de uma pedra e cozinhou em uma moldura de metal, virando de vez em quando. Como entrada serviu um moddizzosu – (pão de batata que ao contrário do pão pitta, é um pequeno pão quente mais leve e macio, que fica melhor ainda com fatias de um salame escuro e compacto. Barriga vazia,e e água na boca , é hora de provar os grossos pedaços de carne rosa rodeada pela gordura branca. Há tomates caseiros de penetrante frescura e bom vinho de um jarro, o tipo de comida todos os dias e bebida apreciada por Sardinians das montanhas. “Cozinhar é a cultura das pessoas”, diz Antonio.

Lino Fronteddu começa a trabalhar cortando porceddu (leitão). Imagens por Anders Schønnemann.

Lino Fronteddu começa a trabalhar cortando porceddu (leitão). Imagens por Anders Schønnemann.

A vida de um pastor é difícil e solitário, e as recompensas financeiras são escassas. “Sem férias, pouco dinheiro “, como Lino resume sua escolha de vida. Mas ele não iria mudá-lo. “Eu tenho a liberdade”, diz ele simplesmente. “Eu sou muito independente, como as cabras. Tal como acontece com Silverio e seu barco de pesca, gostaria de saber se seus filhos vão querer compartilhar a mesma vida. Seria triste pensar que um dia o pastori pode desaparecer como o carrilhão de sinos de suas cabras no ar brilhante das montanhas Supramonte. Mas algumas tradições não vai morrer. Não até aqui nas pastagens. Ainda não.

Fonte: Lonely Planet

Por Jucelaine Viegas

 

One Response

Dê sua opinião!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Vamos Viajar Juntos!

Junte-se a mais de 8,000 leitores inteligentes e receba nossas dicas imperdíveis para viajar pelo mundo. (é grátis)!